ralphMeu nome é Ralph Antony Zeppelini Junior, nascido em 08/08/1963, pai da Karol, da Lays, da Mariana, da Marcela, da Izadora e da Joana. Esposo da Lígia e filho de um artista autodidata e uma cuidadora por vocação, portanto a paixão pelo que faço vem da herança que recebi dos meus pais. Sou modelista desde que me conheço por gente, pois desde criança convivia com kits, modelos e maquetes de ferrimodelismo que meu pai construía, e para que eu não estragasse seus trabalhos, ele foi me ensinando desde cedo sua arte.
Lembro que montamos vários modelos juntos, até que comecei a me aventurar sozinho. Estamos falando de um Brasil no final dos anos ’60, onde tudo que era importado era proibido e a variedade de modelos da nossa indústria de brinquedos era muito pequena, mas esta dificuldade não diminuía minha vontade de montar, e juntava todos os trocados que conseguia para poder comprar novos kits, em nossas visitas mensais a querida Casa Aerobras.
Ficava babando naquelas vitrines com modelos que nunca apareciam para venda, assim como nas antigas Feiras da Criança, no stand da Kikoler no Anhembi, só me falavam a mesma coisa, “estes são modelos só de amostra que vão demorar pra vender por aqui, quem monta é um tal de Sr. Pennino???”… E lá vão mais de 45 anos envolvidos em plástico, peças, tintas e muitas histórias, em que as escalas reduzidas são só nos modelos, pois meu maior acervo conquistado ao longo deste tempo, foram os amigos que fiz e me acompanham até hoje. Até os anos ’80 já tinha uma coleção com mais de 200 kits montados de todos os segmentos e escalas (aviões, navios, militares, ficção, motos e carros), claro que sem as técnicas e o profissionalismo adquirido nos anos seguintes.
Em meados de ’84 indo mais a fundo no hobby e já buscando algo a mais que ele pudesse me oferecer, acompanhei algumas matérias em jornais e revistas que falavam de um nome conhecido na minha história “Sr. Francisco Pennino” e também de um grupo chamado GPPSD. Estes anúncios e matérias me levaram a uma exposição no Sesc Interlagos e logo após a outra exposição muito maior no Centro Cultural de São Paulo, onde fui recebido por um cara grandão de voz grossa mas que gostava de conversa, um tal de Fábio Hipólito, que me aguentou todos os dias indo visitar as vitrines e babar muito, perguntar muito, o típico chato, mas ele deu a maior atenção e me convidou a visitar uma loja recém inaugurada chamada Kit Center, onde tinha mais dois sócios, Waldemar Ciglioni e Lawrence Tumolo, que também me aturaram até me contratar para trabalhar com eles, naquela que foi a primeira loja de auto-plastimodelismo do Brasil, e ali o meu hobby virou profissão, aprendia coisas novas todos os dias com eles e com os clientes de todo o Brasil, ali aprendi o valor das coisas que não temos, pois recém casado e com uma filha pequena, não tinha como sustentar meu hobby, mesmo trabalhando em uma loja do ramo, mas… Sempre tinha alguém estragando algum modelo e dizendo que iria jogar fora, e eu pedia aquela sucata pra mim, e cada vez tinha mais peças, até que somei tudo o que aprendi com tudo o que juntei e comecei a misturar aquelas peças que de simples sucatas iam tomando forma e chamando atenção nos concursos daquela época. Entre os anos de ’88 a ’91 sempre estive entre os melhores colocados da minha modalidade nos concursos, mas vieram as crises e a nossa querida loja teve que fechar, ai conheci o meu lado empreendedor, fiquei com os contatos dos clientes e comecei a trabalhar em casa com venda e também montando modelos por encomenda, eram tantas encomendas que não conseguia mais montar nada pra mim, e foi assim por quase um ano até que um cliente me convidou para gerenciar uma loja que se chamou SP Model Hobby, Pedro Luiz Turco abriu o sonho novamente e ficamos por quase um ano nesta luta, mas o hobby tinha mudado e esta loja também fechou.
Mas o sonho ainda não tinha acabado, pois a pessoa que sempre me ajudou após o fechamento da primeira loja, me fornecendo kits para venda enquanto trabalhei em casa, me convidou para participar de um projeto audacioso, seria a maior loja de plastimodelismo do Brasil, e eu junto com Elie Soffer, José Wilson e José Fracci, inauguramos a HTC Modelismo… Foram mais de 8 anos de muito trabalho e sucesso, e até aquele momento já tinha perdido as contas de quantos kits havia montado, mais de 500 com certeza… Mas após muitas mudanças de sociedade e problemas com novas crises políticas, a empresa que havia crescido muito teve que diminuir até quase fechar, e com isto tudo, meu sonho parecia ter chegado ao fim. O mundo do hobby no país continuou, mas eu me afastei por longos 13 anos, e mesmo depois de tanto tempo, a paixão que estava adormecida, após algumas conversas com minha esposa
Lígia Zeppelini e o amigo que havia acabado de reencontrar pelo Facebook, Jr Fel Fel, me motivaram a retornar… Foram muitas caixas empoeiradas para abrir, e a cada uma, muitas recordações, muitos nomes e uma missão definida: desmistificar o hobby para que muitos possam usufruir dos benefícios de praticar algo tão gratificante, que mexa com a criatividade de cada um, que incentiva o senso de organização e a educação, que motiva a pesquisar e conhecer a história, que melhora o seu relacionamento, que aumenta a sua autoconfiança.
Então esta é a minha tarefa, fazer o hobby chegar as pessoas não como um simples passatempo, mas uma solução para muitos traumas que a nossa sociedade vive hoje. Também me descobri como mentor trabalhando com a Lígia na Conexão da Vida e este sou eu, pai, marido, mentor e plastimodelista com 45 anos de experiência, que aprendeu que só conseguimos alcançar o nosso sonho com muito trabalho e fé, valorizando o que realmente tem valor, e não o que tem preço. Nada conseguimos sozinhos, e este projeto como muitos outros que estão por vir, só saiu do papel pois tem muita gente competente que acredita que o sonho pode sim se transformar em realidade… Agradeço a todos os amigos que de alguma forma estão envolvidos nestes projetos e na minha vida, vocês são o que de mais importante eu recebi de prêmio… Sejam bem vindos!!!

Ralph A. Zeppelini Jr.